Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

FB_IMG_1521990697336.jpg

 (os meus afilhados e netos de praxe em Coimbra, por quem sou profundamente apaixonada)

 

 "Certo é que a liberdade de escolha do que fazemos da nossa vida - sentir que somos comandantes do nosso destino - está ligada à felicidade." 

 

   Em novembro de 2017 congelei a matrícula na faculdade. Estava no 4°ano de medicina, tinha uma vida aparentemente normal e foi um choque para algumas pessoas uma "boa" aluna como eu sair do curso assim de repente. 

 

   Certo é que muitos ainda continuam a conspirar acerca do motivo que me levou a fazê-lo... Questionam se foi por questões financeiras (sustentar um curso e uma casa quando estudas noutra cidade não é nada fácil), por problemas pessoais ou até de saúde.

 

   Na verdade, não foi nenhum desses motivos ou talvez até tenham sido todos...

 

   Vivi 3 anos incríveis em Coimbra, adorava o meu curso, os meus amigos, a rotina de ir e vir, fazer malas, ser independente, sair sempre que quisesse e cuidar de mim à minha maneira. Mas no quarto ano, essa rotina apoderou-se da minha vida e adicionar o trabalho a uma carga horária da faculdade já exagerada começou a trazer sérias consequências na minha saúde mental e fiquei esgotada emocionalmente.

 

   Não que seja impossível estudar medicina e trabalhar. Não é. Mas quando estás fora de casa dos teus pais, tens obrigatoriamente que perder tempo a cozinhar, arrumar, preparar as coisas para ir de fim-de-semana, entre outros. E eu sempre tive tempo para isso tudo e ainda para fazer coisas que me faziam feliz como ir ao ginásio, passear, sair com os meus amigos e participar em atividades para além da faculdade. 

 

   Quando comecei a trabalhar, trabalhava 2 ou 3 dias em Coimbra (basicamente nas minhas tardes livres) e ainda chegava ao Porto aos fins-de-semana e ia trabalhar 1 ou 2 dias... Ainda tinha imensas reuniões da Assembleia de Freguesia/Municipal de que faço parte sempre que vinha ao Porto. Começou a sobrar muito pouco tempo para mim. Para os meus amigos. Para o ginásio. Para passar horas a cozinhar o que mais gosto ou simplesmente a ler e a escrever. 

 

   A minha rotina era faculdade - trabalho - dormir - Porto - ver a família  (e nem sempre via) - descansar - trabalhar - Coimbra e vira o disco e toca o mesmo. Cheguei a um ponto em que chorava quando tinha que voltar a Coimbra mas também chorava quando tinha que voltar ao Porto. Sentia que não queria estar em lado nenhum. Só parar, fugir e colocar o meu bem-estar à frente do resto. E foi com esse acumular de stress e aborrecimento que decidi congelar a matrícula.

 

   O aborrecimento também foi proveniente do facto do curso não parecer tão interessante como outrora. Comecei a aperceber-me de que a medicina, apesar de ser absolutamente incrível e interessante como um todo, consegue ser extraordinariamente aborrecida em cada uma das suas partes. Concretizando, a partir do 4° ano as cadeiras são, no fundo, as especialidades médicas que o teu plano de estudos abrange. Obviamente que gostos não se discutem mas comecei a achar que a medicina não era para mim sempre que tinha que ir para as aulas de dermatologia, otorrinolaringologia ou oftalmologia e eram todas super entediantes para mim. Vibrava com cirurgia mas não vibrava com a hora e meia de espera com que o Professor nos presenteava todas as semanas. Vibrava com gastroenterologia mas nao vibrava com o facto do meu Professor ser tão inteligente e saber tanto que nos fazia sentir burros e pouco aptos ou dotados para o exercício da medicina. Gostava de terapêutica mas sentia-me, mais uma vez, uma ignorante nas aulas práticas, quando era suposto saber nomes de fármacos que tinha aprendido no ano anterior e não me recordava. Quando tinha que demonstrar um raciocínio clínico que ainda não estava totalmente aprimorado pensava para mim "que tipo de médica vou ser?".

 

   E o stress da rotina juntou-se ao stress de não saber se estava à altura da responsabilidade exigida pela profissão médica... 

 

   O terceiro ponto foi o facto da medicina já não ser uma "segurança" como era antigamente. Hoje em dia, contrariamente ao que a maioria das pessoas pensa, há médicos que não tem vaga na especialidade e têm que emigrar. Há desemprego médico. Há descontentamento e frustração pela grande maioria deles ficar num local e especialidade que não eram os mais desejados. Passas 6 anos a estudar para chegares ao fim e não teres garantias. Sem segurança, no fundo. 

 

   Já me disseram várias vezes que é preciso "ter tomates" para desistir após 3 anos de um curso, quando tens média de 15 e uma vida noutra cidade. Na verdade não se tratou de ter tomates mas sim de me colocar à frente do resto. De ser o centro do meu mundo e não continuar infeliz só porque o suposto é continuar um curso porque já fiz 3 anos e gastei muito dinheiro com ele.

 

   E a reflexão revelou-se extremamente compensadora.

 

   Reconstrui-me como pessoa e como ser humano. Aprendi a gostar novamente de mim, da minha vida e a ser a minha melhor companhia. Aprendi a ser feliz com todas aquelas coisas que havia abdicado, como a escrita, a leitura, o exercício, as arrumações e os cozinhados. Aprendi que não devo nunca abdicar delas em detrimento de qualquer curso ou trabalho. Eu ser feliz comigo deve ser sempre a prioridade. Só depois vem o resto.

 

   Descobri que sim, tenho efetivamente vocação para medicina. Assim como tenho para o direito e para a gestão de empresas e quiçá para ser escritora ou política um dia (não considero profissões mas sim complementos).

 

   E aprendi a arranjar soluções para todos os meus problemas ou objeções.

 

   Muito embora sejam 6 anos de mestrado integrado, todos os meus colegas que acabaram medicina referem que no fundo, pouco ou nada retiveram e só vão decorar mesmo o essencial na especialidade, quando só abordarem a parte que lhes interessa da medicina. E não serão piores médicos por isso. Também sou apaixonada pela investigação médica e, se tiver oportunidade, é nessa área que quero trabalhar, para além da docência e medicina desportiva, que adoro.

 

   Uma vez que perdi um ano, vou acabar medicina com 25 anos, fazer o exame de especialidade em 2021 e só vou começar o ano comum, de trabalho renumerado, se tudo correr bem, em janeiro de 2022. 

 

   Como redescobri entretanto a minha principal vocação no direito, tenciono inscrever-me na dupla licenciatura de direito e gestão em 2021. Serão mais 5 anos passados entre trabalho como médica e formação em 2 áreas que adoro. Se tudo correr bem, acabo em 2026, com 30 anos. Terei 30 anos, serei licenciada em Direito e Gestão e mestre em Medicina. 

 

   E depois disso, serei efetivamente uma pessoa mais realizada e feliz. Não é obrigatório teres um único destino ou profissão. Podes ter várias e dedicar-te na mesma a cada uma delas. Ter um plano ajuda-te a enfrentar melhor as dificuldades e a ter mais força de viver. 

 

   E saber o que queres (mesmo que queiras muita coisa) é crucial para teres motivação.

 

   O nosso sonho não se pode limitar a uma profissão, ou várias. Porque o meu sonho não é ser médica, advogada ou gestora de empresas. O meu sonho é mudar o mundo. Desde pequena que me tenho habituado a ouvir a frase "Diana, não podes mudar o mundo sozinha". É parcialmente verdade, se não tiveres ambição, uma boa equipa e um bom plano. Mas é mentira quando tens isso tudo e a tua principal motivação é defender o que acreditas, sem segundos interesses.

 

   Quero ser advogada de causas, trabalhar para o pobre e para o fraco, para o martir e para o refugiado, para pretos e brancos, para ambientalistas, para ONG's e para todas as causas em que acreditar. Quero trabalhar, sem ganhar dinheiro, só com a intenção de tornar o mundo melhor grão á grão, tijolo a tijolo. Esse é o meu principal objetivo.

 

   A medicina será sempre um meio de sustento e uma paixão, que não deixa de ser importante por não ser a principal. A gestão de empresas outra, por me dar também meio de sustento para poder abraçar as causas que bem entender sem ganhar dinheiro com isso. 

 

   A minha teoria da felicidade sem dinheiro não é exequível em pleno século XXI. Mas acredito que vou ser muito mais feliz no trabalho em que não ganho dinheiro do que nos restantes. Porque defender aquilo em que acredito é e será sempre aquilo que me move. 

 

   Sou focada, determinada e no fundo, uma pobre fazendo pobrice, que só quer ser feliz.


1 comentário

Sem imagem de perfil

Anónimo 16.07.2019

Olá Diana :)
Sou leitora assídua do teu blog e adoro a forma como escreves. Gostei particularmente deste texto, acho que foi precisa muita coragem para o fazeres. Gostava de saber se continuas com a mesma vontade de tirar a dupla licenciatura em Direito e Gestão e conciliar isso com a Medicina. Beijinhos

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2020
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2019
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2018
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ